Entender como pescar curimba é ótimo para elevar o conhecimento sobre pesca esportiva. Essa espécie tende a ser bem difícil de ser fisgada, principalmente por conta da sua característica de não morder a isca facilmente.

Muitos pescadores sequer sentem quando a curimba abocanha o anzol, e é aqui que a maior parte do desafio toma conta. Entender mais sobre seu habitat, alimentação e principalmente sobre suas peculiaridades é o que diferencia seu rendimento.

Neste post, indicamos sete dicas que você precisa conhecer para se sair bem na pesca dessa curiosa espécie! Pronto para saber mais a respeito? Continue sua leitura!

1. Conheça a espécie e seu habitat

A curimba é um peixe de escamas bem comum no Brasil. É possível encontrá-lo em vários estados, como São Paulo, Minas Gerais e Paraná, onde a pesca costuma ser muito forte.

Como nosso país tem um vasto território, podemos encontrar outros nomes para essa espécie. Não raro, vemos pessoas se referindo ao animal como curimbatá, curimatã e curibatá. 

Curiosamente, são todas variações de seu nome na língua indígena tupi: kuruma’tá, que significa “papa-terra”. Isso porque sua principal fonte de alimentação é proveniente de micro-organismos que vivem na lama do fundo dos rios. 

A curimba também é conhecida como “papa-terra” graças a seus hábitos alimentares. Foto: Felipe Do Espirito Santo/Wikicommons

Entre as principais características desse peixe, podemos citar seu comprimento razoável – que costuma ser por volta de 30 centímetros, mas pode alcançar a marca de 80 centímetros –, sua longa expectativa de vida, sua boca peculiar em formato de ventosa e seu peso, que pode ultrapassar os 5 quilos.

Uma das maneiras mais fáceis de encontrar um exemplar para pesca esportiva são nos pesqueiros espalhados em todo território nacional. No entanto, é possível encontrar pessoas pescando a curimba em barrancos na beira de rios.

2. Escolha os equipamentos corretos

Para pescar a curimba, não há necessidade de equipamentos caríssimos e de ponta de linha. Entretanto, deve existir uma preocupação com o tipo de anzol e linha para que bons resultados sejam alcançados.

Varas de bambu com 2 a 4 metros de comprimento são o suficiente. Em relação ao molinete, qualquer um de boa qualidade já serve – lembrando que esse material não é essencial para pesca.

A linha, por via de regra, deve ser cerca de meio metro maior que a vara utilizada, e a espessura pode ser de 0,30 a 0,40 mm. Normalmente, são utilizadas as de monofilamento. 

Em relação aos anzóis, procure modelos bem finos e pequenos para facilitar a fisgada. Os indicados são de número 8 a 2. A chumbada pode – e é – ser descartada por muitos, quando o objetivo é somente a pesca dessa espécie.

3. Saiba quais são as iscas adequadas

Para entender como pescar curimba, é necessário estar atento às melhores iscas. Como o animal fica sempre ao fundo dos rios procurando por detritos, esqueça os modelos artificiais! Essa espécie não ataca esse tipo e dificilmente você conseguirá um bom resultado utilizando-as.

As iscas naturais são a escolha perfeita. Massas de pesca são as mais utilizadas por pescadores experientes. Existem dezenas de receitas na internet e uma das que mais funcionam é com base de farelo de arroz ou farinha de trigo com água e açúcar.

Outro tipo de isca para curimba comum são miúdos de boi, porco ou frango. São uma excelente maneira de aproveitar tripas ou órgãos como fígado, coração e rim, que muitas vezes são descartados. 

4. Tenha calma no momento da fisgada

Como já dito antes, a curimba é muito manhosa para morder o anzol. Ela costuma rodear a isca e balançar a vara algumas vezes antes de abocanhá-la, o que faz com que muitos pescadores se desesperem e assustem o peixe.

Entretanto, sua boca em formato de ventosa garante que o anzol fique preso quando o peixe dá o bote. Por isso, a melhor forma de pescar curimba é aguardar até que ela morda a isca completamente, ao invés de tentar fisgá-la como outros peixes.

Espere até que o peixe morda completamente a isca antes de fisgá-lo.


5. Utilize a técnica do chuveirinho

Uma das técnicas mais utilizadas para a pesca desse bruto é a de chuveirinho. Trata-se de um tipo de isca com uma mola no meio e várias linhas com anzóis em volta. 

No meio, coloque uma grande quantidade de massa para curimba, até que a mola esteja totalmente coberta, para atrair o peixe. Nos anzóis, coloque iscas naturais da sua preferência. As mais utilizadas são pedaços de miúdos de boi e frango.

Muito importante: ao utilizar essa técnica, deixe a pontinha dos anzóis à mostra. Assim, quando o peixe fizer a sucção com sua boca de ventosa, ele será fisgado com mais facilidade. 

Caso o peixe não morda as iscas vivas, você também tem a opção de fixar o anzol diretamente na massa. Assim, quando o peixe for mordiscá-la, pode acabar sendo fisgado.

6. Tome cuidado ao usar ceva

A utilização da ceva para curimba varia muito conforme a opinião e a experiência do pescador. Há quem acredite que é necessária para atrair os peixes, e há quem diga que não funciona.

De qualquer forma, esse é um item para se tomar cuidado. Ao usar ração, você poderá atrair peixes menores, como os lambaris, que costumam comer a massinha do chuveirinho e espantar a curimba.

Se você nunca pescou curimba, o ideal é que você teste pescar sem cevar a água primeiro. Caso não tenha sucesso, utilize uma massa específica para a espécie. Uma receita barata de se fazer é: terra de formigueiro, açúcar e banana amassados. As quantidades variam muito, por isso, misture bem até que atinjam um ponto firme e homogêneo. 

7. Vista-se adequadamente

Se você já pescou essa manhosa, sabe que ela pode demorar para morder a isca. E enquanto você espera para fisgá-la, estará sujeito a queimaduras de sol, clima e picadas de insetos.

Por essa razão, sempre que for pescar curimba, vista-se adequadamente com uma boa camisa de pesca! Na Quisty, você encontra modelos feitos de tecidos dry fit, que ajudam a controlar a temperatura corporal. 

Outro diferencial é o fator de proteção ultravioleta +50, que diminui os riscos de queimaduras e insolação. Assim, você pode prolongar sua pescaria por mais tempo, sem se preocupar com o sol. 

As mangas e a gola das camisas são justas, impedindo a entrada de mosquitos, e você pode personalizá-las com seu nome e o da sua equipe. Quer escolher seu modelo? Clique no banner abaixo e acesse o site da Quisty!