Separar uma data no calendário para sentar em um barco e relaxar enquanto pega alguns peixes: este é o programa perfeito para os amantes da pesca. Além de ser uma atividade relaxante e um estimulante à paciência, a pesca esportiva pode proporcionar um sentimento de paz em meio à natureza e um momento de descontração com os amigos.

Embora seja uma atividade relaxante, nenhum pescador quer ficar para trás e não pegar nenhum peixe. Neste caso, saber os tipos de iscas de pesca é fundamental para garantir a fartura. Separamos aqui algumas informações sobre os principais tipos de isca e como escolher cada uma.

Antes, é preciso saber que as iscas se dividem em três grupos: iscas de superfície, iscas de meia água e iscas de fundo. Cada espécie de peixe nada por uma dessas partes do rio, lago ou mar.

É importante destacar que, de modo geral, os peixes atacam as iscas por algum motivo específico, seja por instinto, fome, territorialismo, para a proteção da prole, competição com outros peixes, porque está irritado ou simplesmente por curiosidade.

É fundamental também ter conhecimento sobre quais espécies podem ser encontradas em determinado local da pesca. Cada peixe possui a sua isca preferida ou simplesmente ataca uma isca específica em um determinado momento.

Tendo em mente estas informações, o próximo passo é escolher a melhor isca para a ocasião em que se encontra. Veja a seguir como eleger os tipos de isca de pesca corretamente!

Diferença entre os tipos de iscas de pesca artificiais e naturais

Antes de escolher o tipo mais indicado à sua pescaria, é muito importante saber a diferença entre as iscas artificiais e naturais. A segunda é considerada uma pescaria de espera, na qual o peixe será atraído pelo odor e paladar.

Já no tipo artificial, o peixe é atraído pelo movimento que o pescador faz com a isca — esta pode ser feita de madeira, plástico ou metal e sempre deve imitar espécies existentes naquele ambiente. Nesse caso, o que atrairá os vertebrados é o seu próprio instinto de proteção, reflexo ou competitividade.

Iscas indicadas para o fundo, meia água e superfície

Agora que você já sabe o que são iscas artificiais e naturais, é importante ter mente o ambiente em que você realizará a pescaria. Isso porque existem iscas específicas para o fundo e para a superfície de oceanos, rios ou lagos.

Se o pescador tem a intenção de pegar peixes que moram em locais de maior profundidade, como os badejos, robalos e garoupas, será necessário utilizar iscas que alcancem o fundo do mar. Veja alguns exemplos:

  • jigs;

  • spinner;

  • verme de plástico;

  • jumping jigs.

Já as iscas de meia água, como o próprio nome diz, foram feitas para trabalhar entre a superfície até cerca de 1,20 metro de profundidade. A maior parte delas possui barbelas com o objetivo de imitar o movimento de nado dos peixes. Alguns exemplos:

  • deep runner;

  • popper;

  • plugs de barbelas curtas e médias;

  • colheres.

As iscas de superfície são aquelas que chegam a apenas 30 centímetros de profundidade, possibilitando ao pescador ver de perto o ataque dos peixes. Veja algumas das iscas principais:

  • stick;

  • sputinik;

  • moscas;

  • popper.

A seguir, veja os detalhes de cada tipo de isca e descubra em que situações eles são mais indicados.

Iscas para a superfície

Stick

Iscas do tipo Stick imitam o nado de um peixe ferido, considerado preza fácil na natureza. No entanto, elas dependem muito da habilidade do pescador. Com pequenos toques, ele deverá mexer a vara dando pequenas pausas — isso representa um peixe em agonia.

Mais indicadas para a superfície, as Stick não devem ser usadas se no local de pescaria estiver ventando muito. Isso porque a água agitada impossibilitará que a isca tenha o efeito desejado.

Sputinik

Assim como as iscas Stick, as Sputinik não têm ação própria, ou seja, depende da habilidade do homem. Ela deve ser trabalhada alternando impulsos de energia com repousos na posição horizontal na superfície. Seu desempenho também é prejudicado se o local da pescaria estiver recebendo ventos intensos.

Popper

Podendo ser usada tanto na superfície quanto em meia água, estas iscas são excelentes para a pesca de peixes de passagem. A isca do tipo Popper, que tem a boca chanfrada, consiste em um peixe de borracha que oculta o anzol e se contrai no momento em que é fisgado.

Quando executada a técnica de movimento correta, essa isca se parece com um pequeno peixe caçando pela superfície, atraindo predadores como traíra, trairão, tucunaré, matrinxã, dourado, tilápia e xaréu.

Iscas de meia água

Colher

Tem esse nome pelo formato semelhante ao do talher. Embora seja um modelo simples, essa isca é bastante eficiente, principalmente pela sua cor metalizada, que reflete a luz e atrai os peixes.

A colher é utilizada para a pesca em águas mais profundas, perfeita para peixes como traíra, tucunaré, dourado e matrinxã. Porém, é aconselhável utilizá-la com um girador para que a linha não enrole.

É sempre bom ter mais de um modelo desses para as diferentes situações da pesca. Atentando-se a essas informações, a fartura na pesca esportiva será muito maior. Embora a isca seja peça fundamental para a pescaria, é importante ter também outros equipamentos básicos para a pesca e para a segurança pessoal.

Deep Runner

Iscas do tipo Deep Runner são ideais para fisgar os peixes que habitam maiores profundidades, como em fundos de pedra, troncos caídos, galhos submersos, entre outros. Feitas de plástico, elas possuem um acabamento extremamente realista.

O legal dessa isca é que ela pode tanto flutuar (ação sinking) quanto afundar (ação floating) lentamente. O comprimento da barbela é quem vai definir a profundidade máxima que ela pode atingir. Você pode recolhê-la continuamente, fazendo com que atinja sua velocidade limite ou intercalar os movimentos com pequenos toques na vara, a fim de deixá-la subir um pouco.

Iscas de profundidade

Verme de Plástico

Este é um dos tipos mais comuns de isca e, como o próprio nome diz, são semelhantes a verdadeiros vermes. Embora também seja comum a sua utilização para a superfície, ele também é utilizado para os peixes do fundo das águas.

Possui diversas cores e tamanhos para pegar diferentes tipos de peixe, como o peixe-lua, crappies (iscas menores) e o achigã (iscas maiores). Os melhores lugares para utilizar os vermes de plástico são: perto de vegetação rasa, como ervas daninhas, em áreas rochosas e em madeira, próximo a docas.

Jigs

Este tipo de isca é bastante versátil, podendo ser utilizado tanto para peixes de fundo quanto para peixes de passagem, de água doce ou salgada.

Dentre os modelos de jigs, temos as jigs de pena/cerdas, que vêm acompanhadas de uma pena ou de cerdas de silicone em uma das pontas, sendo excelentes para a pesca de tucunarés e robalos.

Outro modelo é a jumping jig, uma isca de chumbo, mais pesada, utilizada para a pesca em águas mais profundas, para peixes como olho-de-boi e garoupas.

Spinner Bait

É o modelo mais indicado para locais onde há vegetação em que outras iscas podem se prender, sendo este o local favorito de traíras. A spinner bait lembra muito um alfinete aberto, possuindo uma ponta mais pesada simulando um peixe com um ou mais anzóis. A outra ponta possui lâminas cujo movimento causa uma vibração que atrai os peixes.

Além de ser boa para a pesca de traíras, a spinner bait atrai também trutas, blackbass e dourados.

Gostou do post sobre os tipos de iscas de pesca? Deixe o seu comentário no post e compartilhe suas dúvidas e considerações!