Certamente um dos peixes mais abundantes pelas águas doces do Brasil afora é o lambari. Geralmente de pequeno porte, os maiores entre eles não ultrapassam um palmo de comprimento. A diferenciação entre as espécies costuma ser feita pela cor do rabo. Vermelhos, amarelados e pretos são os mais comuns.

Os mais experientes dizem que não é um peixe necessariamente difícil de ser fisgado, desde que se domine algumas técnicas, dicas e macetes. As principais características do pescador que deseja pegar um ou mais lambaris, já que é comum fisgar vários de uma só vez, são sua agilidade e rapidez, pois dessa forma também se destacam os chamados pequenos valentes.

Vamos seguir um pequeno manual da pescaria de lambari? Veja como fazer!

Utilize as iscas certas e desenvolva a sua técnica

Para ter sucesso na tarefa de atrair e fisgar lambaris é unanimidade que as iscas vivas são a melhor opção. As demais iscas naturais também funcionam, ainda que às vezes seja necessário dar pequenos toques na linha para chamar a atenção do peixe.

Pode-se utilizar minhocas, bichinho do pão (tenébrio), massinhas prontas, formigas ou seus ovos, larvas de mosca, bichinho da laranja, macarrão spaghetti miúdo e cozido, milho verde, sagu na consistência certa imitando ovos de peixes e larvas e a isca artificial capetinha.

Ainda sobre o sagu, sua coloração pode ter grande influência. Em águas claras e limpas, o amarelo é o ideal. Já em águas turvas por conta de chuvas, o vermelho se sairá melhor.

Siga o passo a passo para a pescaria de lambari

Agora que já aprendemos sobre as melhores iscas, que tal partimos para o passo a passo?

Aqui, são muito detalhes e uma dica importante para começar, além de procurar um lugar calmo, é achar a profundidade certa. Isso varia de acordo com as estações, uma vez que no inverno os lambaris ficam mais para o fundo, e também com o horário da pesca.

Vamos aos equipamentos: três tipos de vara das mais leves dão conta do recado, indo de 3,60 m até 4,60 m. As linhas, incolores, devem ser mescladas. Uma parte mais grossa até o cabo da vara (com 50 cm além dele) e outra mais fina depois do girador, variando de 10 a 20 mm.

As boias devem ser do menor tamanho possível. Assim como os anzóis, também tendem a ser pequenas, mas não minúsculas. Recomendamos do número 16 ao 10.

Junte-se aos especialistas e aproveite a fartura

A pescaria de lambari é emocionante e requer dedicação. A variedade dos utensílios é importante. Devemos ter sempre tamanhos diferentes para adaptação às condições específicas de cada local e momento.

O lambari é um peixe desconfiado e se espanta com facilidade. Portanto, ao utilizarmos o chumbo, é importante que seja posicionado mais ou menos 15 cm acima do anzol. Essa é uma distância segura, que não afugenta o peixe. Os chumbos pequeno, médio e grande desempenham funções diferentes. Para águas mais profundas, o mais pesado traz rapidez na descida da isca e deixa a linha mais esticada.

Não menos importantes, as cevas, geralmente quirera grossa de milho, devem ser jogadas aos poucos. Dessa forma, não há risco de rejeição das iscas.

Existem outros acessórios interessantíssimos para a pescaria de lambari. A improvisação com o uso de uma garrafa pet é uma delas. E as miçangas? São excelentes iscas artificiais, sem a necessidade de reposição a cada fisgada. Podem ser utilizadas com as varas de bambu, telescópicas ou molinete.

A pesca de lambari em lagos, córregos e represas é sem dúvida uma grande aventura. Portanto, junte seu material, siga o passo a passo disponibilizado neste post e garanta uma pescaria farta.

Gostou deste artigo? Compartilhe-o nas redes sociais e mostre o seu conhecimento!