O hábito de pescar acompanha o ser humano há milhares de anos, seja como prática esportiva e de lazer ou como forma de conseguir alimentos. Para uma boa pescaria temos que conhecer alguns segredos e algumas diferenças relacionadas ao tipo de peixe que queremos fisgar.

Uma das grandes façanhas de um pescador é pescar dourado do rio, também conhecido como “rei do rio”, uma das espécies mais difíceis de serem fisgadas. Sendo assim, criamos este post com sete dicas para ajudá-lo a realizar esta conquista. Confira!

1. Saiba mais sobre o dourado

Antes de sair para sua pescaria, todo pescador deve buscar saber mais a respeito dos peixes que procura. Entendendo suas características, seus hábitos e seu comportamento, será mais fácil de fisgá-los.

O peixe dourado de água doce, também é conhecido como piraju, pirajuba e saijé. Trata-se de um animal carnívoro que se alimenta de peixes menores (como sardinhas e lambaris) e, algumas vezes, até de aves de pequeno porte. 

Seu tamanho varia muito, mas pode chegar a 1 metro de comprimento e 25 quilos, razão inclusive pela qual é chamado de “rei do rio”. É necessário que o pescador esteja preparado para a briga, pois além de suas dimensões, ele não costuma desistir facilmente. 

2. Escolha o local ideal

O peixe dourado de água doce pode ser encontrado em diversos estados brasileiros, como Pernambuco, Bahia, Alagoas, Sergipe, São Paulo, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná e Rio Grande do Sul.

A maior concentração do peixe, porém, está nas bacias do Paraná, do rio São Francisco, do Rio Doce e do Paraíba. Outra boa dica para pescá-lo é viajar para o Pantanal: além de uma boa viagem, é um dos locais onde mais se concentra a espécie.

Para quem pretende fazer viagens internacionais para pescar o dourado do rio, também é possível encontrá-lo em abundância em regiões da Argentina e do Paraguai que são banhados pela bacia do Rio da Prata.

Em qualquer um desses locais, procure ficar longe da margem e próximo de correntezas, pois é nelas que os dourados do rio costumam ser encontrados.

3. Programe-se para época e horários adequados

Durante os meses entre fevereiro e outubro, as águas costumam estar baixando, fazendo com que os peixes que são presas para o “rei do rio” estejam mais abundantes. Assim, quando em busca de alimento, o dourado pode ser mais facilmente encontrado pelo pescador.

Os melhor horários para esse tipo de pesca são nos períodos do começo da manhã e do final da tarde. Durante a noite há ainda a possibilidade, mas as chances diminuem bastante.

Se você procura pelo dourado do rio, o começo da manhã e o final da tarde são os melhores horários.

4. Escolha iscas apropriadas

Dentre as melhores iscas artificiais para pescar dourado, as que possuem formato de colher e com plugs de meia-água são as preferidas de muitos pescadores. Escolha variações em cores brilhantes, em tons vermelhos, amarelados ou esverdeados. 

Alguns pescadores substituem as garateias por anzóis únicos e grandes para diminuir as chances de escape do peixe. Trata-se, porém, de uma questão de gosto. Na dúvida sobre qual método utilizar, teste ambos.

Se preferir utilizar iscas naturais, as mais indicadas são piau, lambari, enguia, tuvira e curimbatá, este último sendo o de maior sucesso. Para isso, lembre-se de fazer um encastoado na ponta da linha, ou o peixe pode rompê-la.

5. Saiba qual o equipamento indicado

O equipamento, quando bem utilizado, pode facilitar a pesca. As melhores linhas para pescar dourado são as de multifilamento de aproximadamente 25 ou 40 milímetros, o anzol tamanho 7/0 ou 8/0 e uma vara com capacidade de 30 a 40 libras, para resistir à pressão.

O molinete pode ser de porte médio, de 10 rolamentos. É importante que tenha uma boa capacidade de linha (pelo menos 100 metros), pois o bocudo foge para buscar abrigo, e será necessário trabalhar bem com a vara para capturá-lo.

Também é essencial a utilização de líder de fluorocarbono entre 0,50 e 0,60 milímetros para assegurar que, na hora da briga, a linha não se rompa ao bater em galhadas ou pedras.

6. Prepare-se para o confronto

Ao morder a isca, o dourado lutará bravamente: muitos saltos, puxões e arrancadas potentes serão sua forma de lutar, portanto, você deve estar preparado. Além dos equipamentos já citados, a fricção do molinete deve estar adequada para esse momento.

Para peixes que saltam, é recomendado sempre trabalhar com a vara baixa, preferencialmente para o lado esquerdo (ou ao contrário, caso for canhoto). Se o peixe passar para o mesmo lado, inverta a vara para facilitar na hora de puxar, Lembre-se também de deixar a linha completamente esticada, utilizando o molinete.

Para trazer o peixe até você, uma dica valiosa é o uso de uma rede, que facilitará o trabalho, pois o dourado pode ser pesado para ser pego apenas com o alicate de pressão.

Para capturar o dourado do rio, é necessário resistir aos seus saltos, puxões e arrancadas.

7. Tome cuidado na hora da soltura

A pesca esportiva tem como objetivo capturar os animais, e em seguida, soltá-los de volta na natureza. Porém, quando não se tem experiência com o rei do rio, essa soltura exige cuidados.

Primeiramente, é importantíssimo não colocar os dedos próximos à boca do peixe, pois ele pode causar ferimentos graves. Utilize sempre um alicate de pressão ou rede, e segure-o pela cauda ou pelas brânquias.

Antes de soltar o dourado do rio, segure-o debaixo da água por alguns segundos para que ele retome o fôlego, ou ele pode ficar desnorteado. Escolha sempre um local de água corrente.

Dica extra: Vista roupas adequadas

A tarefa de pescar dourado do rio não é fácil, e se torna ainda mais complicada com uma roupa toda suada e o sol queimando a pele. Por isso, outro equipamento importantíssimo capturar o peixe são as roupas adequadas.

Os tecidos dry fit proporcionam maior circulação de ar e frescor para o tronco. Além disso, a proteção UV evita os malefícios que a radiação do sol pode causar à pele e à saúde e, consequentemente, melhora a qualidade de sua pescaria.

O boné também é um artefato muito importante para um pescador, sendo essencial um modelo com proteção UV, assim como as peças de roupa. Em casos de sol constante, também pode ser necessário utilizar máscaras.

Na Quisty, você encontra as camisas adequadas para a sua pescaria, com tecidos dry fit, proteção UV e punhos bem fechados, evitando a entrada de insetos. Além disso, as camisas são personalizáveis, e você pode incluir seu nome e o da sua equipe sem nenhum custo adicional. 

Além das camisas, também é possível encontrar modelos de bonés e máscaras para sua pescaria, e até kits personalizados exclusivos. Para conferir o site da Quisty, clique no banner abaixo!