Apreciada por inúmeros pescadores esportivos, a pesca de tucunaré atrai para o Brasil pessoas de todo o mundo. Peixe de hábitos diurnos, se alimenta de animais menores e camarões, e é a única espécie que persegue a presa até capturá-la.

É apaixonado por pesca esportiva? Então, aqui é o seu lugar! Continue a leitura e confira nove dicas para pescar tucunaré!

1. Saiba onde encontrar o peixe

O tucunaré é um peixe de água doce, e pode ser encontrado em lagos, lagoas, rios e estuários. Realiza pouca migração e tem comportamento sedentário, por isso, costuma ter preferência por locais mais calmos.

Ele se alimenta próximo à margem nos horários em que a água está mais fria, ou seja, ao amanhecer e ao entardecer. Durante o restante do dia, volta para a parte mais funda de seu habitat. 

No Brasil, estão em maior abundância nas Bacias Amazônicas, no Araguaia-Tocantins, na Bacia da Prata, no Pantanal, no Rio São Francisco e nos açudes do Nordeste. 

As principais espécies são o tucunaré-amarelo e o tucunaré-azul. O primeiro varia entre 30 e 50 centímetros e 6 e 8 quilos. Já o segundo, entre 40 e 80 centímetros, e até 10 quilos. Essas medidas, porém, podem variar conforme a região.

2. Escolha o melhor equipamento

O equipamento usado é parte fundamental de uma pesca de sucesso. Por isso, para garantir que tudo ocorra bem em sua aventura, você deve usar os acessórios que melhor se adaptem às suas necessidades.

Seja em rios e lagos naturais, ou em represas e lagos artificiais, as melhores opções são as varas de números entre 8 a 10 de ação média a pesada. Já a linha pode ser de micro ou multifilamento, dependendo da preferência, mas que seja de até 0,20 milímetros. 

Apesar de muitos pescadores utilizarem linhas mais grossas, isso pode atrapalhar no arremesso, diminuindo o sucesso da sua performance.

Para a pesca do tucunaré, é imprescindível a utilização de um líder de fluorcarbono, já que, após fisgar a isca, é comum que o peixe procure abrigo entre as galhadas ou próximo às pedras. Esse item deve evitar que sua linha se parta durante a briga.

Os tamanhos de líder recomendados são entre 0,31 e 0,42. Acima disso, pode ser que a linha fique pesada, atrapalhando seu esporte.

3. Utilize barcos silenciosos

Outra dica para pescar tucunaré é utilizar um barco com motor elétrico, pois o peixe possui hábitos mais calmos e silenciosos. Ao usar outras formas de condução, o tucunaré deve se assustar e fugir, estragando sua pescaria.

Para esses motores, é ideal o abastecimento por baterias de ciclo profundo, que suportam carga e descarga por diversas vezes. Outros tipos pode render uma vida útil pequena, tornando a pescaria inviável.

Para a pesca do tucunaré, opte por barcos com motor silencioso.

4. Selecione a isca adequada

Peixe reconhecido por sua ação predatória, o tucunaré ataca praticamente todos os tipos de isca, sejam naturais ou artificiais, e para fundo, meia-água ou superfície.

As iscas de superfície são indicadas para ajudar na localização da espécie, além de serem as mais populares por conta da emoção da fisgada do bocudo. Procure por itens que tenham ação em zig zag, atraindo o bote do predador.

Para a pesca do tucunaré na meia-água, procure iscas de até 10 gramas, que proporcionem um bom arremesso e um movimento natural que atraia a atenção do peixe. A coloração branco-osso é a preferida de muitos pescadores, rendendo bons resultados.

Em dias com mudanças bruscas de temperatura ou muito ensolarados, o peixe costuma ir para o fundo da água. Nesse caso, iscas de fundo, como jigs, são as melhores opções. 

5. Trabalhe bem a isca

Além da escolha da isca, é necessário que o pescador saiba trabalhá-la de forma natural, imitando os movimentos dos peixes em fuga. Para isso, é possível alternar entre toques mais leves e mais bruscos.

Para a superfície, prefira iscas com chocalhos e movimentos mais rápidos, atraindo o predador da toca para a superfície. Os toques rápidos serão tentadores para a fisgada do bocudo.

6. Arremesse a isca por baixo

A isca pode ser arremessada de diversas formas, partindo de todas as direções, e cada pescador tem sua preferência na hora de fazer o lançamento. Na pesca do tucunaré, porém, o ideal é sempre utilizar um tipo de arremesso conhecido como flip cast.

Essa técnica consiste em flexionar a isca para baixo e soltá-la durante sua subida. Dessa forma, ela pousará na água de forma silenciosa, sem causar alarde no peixe, que tem um comportamento mais calmo.

No início, pode parecer difícil, já que não é um lançamento tão usual. Porém, com a prática, você será capaz de desenvolver suas habilidades.

7. Tenha paciência

Durante a pesca do tucunaré, você vai reparar que nem sempre a espécie ataca de primeira. Por isso, é recomendável ter paciência e insistir em arremessos repetidamente em um mesmo local, procurando pelo habitat do peixe (margens, vegetação, galhadas e troncos submersos). Se trabalhar a isca com calma e suavidade, você garante mais ataques de sucesso.

Os tucunarés são conhecidos como peixes briguentos. Isso quer dizer que, durante a captura, ele fará de tudo para escapar. Quanto mais violenta for a sua recuperação de linha, mais violenta será a reação. Por isso, é importante deixar a fricção solta, para garantir que o animal fique mais calmo antes de começar a recolher a linha.

8. Seja cuidadoso

Muito cuidado ao tirar o peixe da água. Ao aproximar o tucunaré para o embarque, deixe um comprimento de vara de linha sem ser recolhido. Isso permitirá que a vara e o freio da carretilha trabalhem, caso seja necessário.

Redobre a atenção para as garateias que não foram fisgadas pelo peixe! Muitos pescadores se ferem ao tentar tirar as iscas do tucunaré, principalmente durante os botes que ele dá fora da água.

Sempre que puxar o peixe, prenda sua boca com uma pinça. Em seguida, deixe a vara no barco (ou entre as pernas) e utilize um alicate para tirar as garateias do peixe.

Ao embarcar o peixe, é necessário ter atenção e cuidado para evitar ferimentos.

9. Use a natureza a seu favor

Alguns fenômenos naturais podem ajudar ou atrapalhar a sua pesca. Saiba reconhecê-los e use isso a seu favor. A dequada, por exemplo, acontece quando o acúmulo de matéria orgânica é trazido para os rios após grandes cheias. A decomposição dessa matéria consome muito oxigênio e mata os peixes da região.

A lufada é o retorno dos cardumes das áreas alagadas para o rio. Esse fenômeno torna a região um excelente ponto de pesca.

O repiquete é o aumento no nível dos rios causado por chuvas torrenciais. Esse fenômeno afeta o hábito de algumas espécies, como é o caso dos tucunarés nos rios amazônicos.

Com essas dicas simples, mas certeiras, você com certeza conseguirá melhores resultados na pesca do tucunaré. Lembre-se de respeitar o limite da natureza e soltar parte da sua captura. Isso garantirá a manutenção da diversão no futuro.

Esse conteúdo o ajudou? Que tal conferir nosso artigo e saber se sonar para pesca esportiva vale a pena? Fique por dentro das melhores dicas para turbinar a sua pesca esportiva!

Tucunaré atrai para o Brasil amantes da pesca de diferentes regiões. Espécie de hábitos diurnos, o Tucunaré se alimenta de peixes e camarões. É a única espécie que persegue a presa até capturá-la.